poema pra não dizer nada


                                                                foda-se o eclipse.

(daí eu venho e boto o disco dos secos e molhados pra tocar)

e você, lua,
tá olhando o quê? fica aí, dando aos outros a luz que
nem é tua.

                     por que não desce aqui  e me dá o que  é teu,
                                                              o escuro, o breu?
                     tá achando que a vida é só crescer e minguar,

é?
pois não, não é.


                                                                               o sol 

ele   arde.
nem   que
só em sol                                                              ...itude

– e olha que homem mais mulher que eu tá pra nascer, hã?


                                                               dá-se o eclipse.

(a  vitrola  já parada  há  tanto. eu  seco. o  sofá  molhado.)

eles
fazem amor como não houvesse universo
além

                                       tou cansado de ser loba – uivo.
                                                          ninguém me ouve.

                                             delírio.
e é como visse a lua toda ressequida.
                                           penúria.

– diz que houvera tanto choro
que tentar marés se fez querer-se outra vez líquida. e só.
mas, afinal, a lua, quem ouve?

                                                                    ela não – 


concluo:

era a lua uma loba
e o mesmo fato que me faz um bobo aqui
causa alcatéias no

                                                                  céu. e só.


2 comentários:

graças pela partilha!

licença creative commons
este trabalho de rafa carvalho, foi licenciado com uma licença creative commons - atribuição - não comercial - compartilha igual 3.0 não adaptada.