release in transe tô



... é... havia a necessidade de um release. um release para uma turnê imprevisível, porque viva. um release para um trânsito orgânico. in transe tô. um release in trânsito. alguns países que aparecem no vídeo já ficaram pra uma vez que vem - eu sei que vem. era e é preciso mais tempo, mais estar, mais com-tato. e tá, era preciso mais grana também... pra esses deslocamentos certos, pros agendamentos todos, também importantes, e, por vezes, necessários a uma turnê. mas eu, nessa, nem relógio tenho. um release sem relógio. um release sem pressa, lançado no meio da viagem, ainda com tempo para outras costuras... até aqui a turnê já passou pela rua, pela praça, pela casa de família, pela escola, pelo encontro de amigos, pela "hora da naninha" pra ninar pequenas princesas dinamarquesas, pelo trem, pelos "jardins de cerveja" da bavária, pelo quintal, pelo porão, pelo ponto de ônibus, pelo café, pelo bar, pelo metrô, pela fonte, pelo museu, pela livraria, pelo centro cultural, pela margem do rio... a turnê só não passa por duas coisas: o passado; o futuro. um release do presente... um presente de partilha... a partilha de um release... o release de presente... que nos fica, por instante, assim... ... ...




Caras pessoas que lêem essas palavras nesse instante!
Saudações de cá, desse que as escreve!

Juntas, elas – as palavras – devem compor esse tal de release, dessa turnê pela Europa, vivida por mim, Rafa. Pode ser, inclusive, que para muitos soe estranho algo do gênero ser escrito tanto assim, em primeira pessoa... a esses todos, desculpas e licenças, mas eu gosto muito das coisas assim, mais pessoais... E na verdade essa é uma turnê pela Europa com-vivida por mim... e por quem mais quiser! Que todas as pessoas sejam sempre muito bem-vindas! Assim uma turnê chamada in transe tô se converte rapidamente em in transe ‘tamos... E confesso que gosto muito mais da primeira pessoa assim... no plural.

Vida, Arte e Amor... pra mim, são todas sinônimas umas das outras... E, todas, apenas me fazem sentido se partilhadas...

Sou poeta, mas pela plena incapacidade de não me ser... não é um mérito; é uma míngua. Uma falta que me faz brincar de pega-pega sem parar, quase eterno pegador desse sentido que, pra quase sempre, há de ser inalcançável... Que me faz ser muito mais arteiro, por teimar na grandeza das coisas pequenas, na complexa beleza da simplicidade, num mundo já totalmente i-mundo por outras tantas pré-ocupações...

Já sobre ser artista, sou tanto artista quanto qualquer outra pessoa nessa humanidade...

A Arte está em tudo. No ‘bom dia’; no lavar a louça; no vestir-se; no desvestir-se; no meu violão, ainda bem aprendiz; no meu violar, trazendo essa e outras tantas coisas inacabadas, para o foco do encontro ... Assumindo que: ser humano é ser em curso... E que com-viver – em Arte, em Amor – é partilhar processos...

Por aí vai a Arte... E enquanto escrevo essas coisas todas, penso ainda nesse tal de release... Subvertendo, um release pode ser um lease que se re-faz ou que é re-feito... E um lease, por sua vez, pode ser um ‘arrendar’, em português, que pode ser o mesmo que ‘rendilhar’, ou, costurar com carinho, dar forma a..., sempre pela relação...

Assim, um release passa a ser um re-carinho, uma continuação da costura, uma transformação pela relação...

Desse jeito, esse release deixa de ser algo que apenas existe pra falar de outra coisa – ou seja, que inexiste – e passa a existir em si, com rendinhas e tudo mais!

Então, muito grato pela partilha, já queridas pessoas, que seguiram lendo até aqui! Toda chance de partilha é uma dádiva... Valeu por essa e, que venham outras! Quem sabe uma delas nesse in transe tô, para in transe ‘tarmos...

Carinhos,
Rafa
.
.
.

4 comentários:

  1. apertinho no coração de saudade e olhos cheios de emoção ao te ler e te ver nessa partilha!

    ResponderExcluir
  2. Que esse seu "transe estar" renda, ou lease, muito mais vida, arte e amor.

    E que esses três (vidartamar) convirjam-se em mais belíssimos relatos, poemas, músicas, sabores e experiências, das quais, a cá, só posso as imaginar.

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus! Essa foto é muito "Once"! :)

    ResponderExcluir

graças pela partilha!

licença creative commons
este trabalho de rafa carvalho, foi licenciado com uma licença creative commons - atribuição - não comercial - compartilha igual 3.0 não adaptada.