expresso 606

.
.
um ônibus
                     sete ciganas
                                                 uma filha

oito ciganas

                           um bêbado

                                                   três ciganas... bêbadas


um bêbado que talvez saiba ler mãos

                                                    muitos dentes de ouro

um bêbado sem dois dentes da frente

                                                         uma criança chora

                                                       uma mãe faz chorar

                 uma senhora reclama
                                    
                                uma cigana tenta enganar

uma lata de cerveja
                                           goles
                                                                  consequências

                        um coral cigano a cantar

duas orelhas alargadas
                                              dois sapatos engraxados

                terno: moço que cumprimenta

outra orelha alargada adentra

                               um par de olhos

                                                       outro de óculos

                        milhões de cabelos presos

    milhares de cabelos soltos


                     cena: uma moça que é linda

             sina: o poeta que sempre se apaixona

                       sena: o beijo que os une


                                               um inseto pousa no caderno

um grafite se quebra e é reposto

   o chacoalhar pelos buracos da estrada

                                            o coral cigano ainda a cantar

                                              uma desempregada mãe de

                                                  três filhos vende jujuba a


                              um real


sete vestidos coloridos sortidos como jujuba

             um mal vestido pede o bom senso que não tem

                                        uma confusão

                                                                  alguns palavrões


uma catraca que teima em
                                        s
                                          e
                                             p
                                               a
                                                  r
                                                    a
                                                       r 
                                                           o poeta de sua amada


um sol que dança entre as árvores pelo acostamento


                versos trêmulos que se acumulam



       minutos

                                                                           quilômetos

                                   uma viagem

muitas histórias

                                                          vidas em puro trânsito


                   um ponto para o desembarque


bêbado, ciganas, todos

               nada contra bêbados

                                nada contra ciganas

                                              nada contra ninguém







um último olhar à moça do alargador
.
.
.
.

2 comentários:

  1. queria que essa viagem estivesse sendo rumo a terra das ciganas - Sevilla.

    ResponderExcluir

graças pela partilha!

licença creative commons
este trabalho de rafa carvalho, foi licenciado com uma licença creative commons - atribuição - não comercial - compartilha igual 3.0 não adaptada.